Curiosidades · Psicologia

TOP 10: Perguntas mais frequentes a um Psicólogo ou estudante de Psicologia no dia a dia.

Atualizado em por

Esse texto é indicado a todos que convivem com esses profissionais rs

Psicologia
Top 10 Perguntas mais frequentes a um Psicólogo

Se você é Psicóloga (o) com certeza você já respondeu algumas (ou todas) dessas 10 perguntas. Ps: Ao final deste artigo tem um vídeo bem divertido onde eu falo de 5 dessas perguntas de uma forma bem extrovertida, espero que leiam até lá e curtam e compartilhem o vídeo, foi feito para vocês! 🙂

Se você é estudante de Psicologia provavelmente já deve ter ouvido pelo menos 5 das perguntas a baixo. E venho aqui lhe informar que essas questões irão te acompanhar por toda a sua vida pessoal e profissional.

Esteja preparada (o), pois essas perguntas podem aparecer em TOOODOS OS LUGARES por onde você caminhar. E quando eu digo TODOS, entenda: balada, cinema, almoço de domingo na casa da vó, no banheiro do barzinho, academia, casamento, shows, fila do banco, durante as férias, batizado, portão da vizinha, igreja, festa junina, na ceia durante o natal e nos 5 minutos do último dia do ano. (Não, isso não é um exagero rs)

Mas é com muito prazer que compartilho com vocês esses questionamentos, pois são eles que promovem em mim a percepção de que a nossa profissão por si só cumpre a função de ser impulsionadora de questionamentos.

1 – Você é Psicóloga? Então com certeza você está me analisando?

Você deve estar pensando, essa é clássica! rs

Ao longo da vida profissional aprendemos a ligar e a desligar o botãozinho da função Psicoterapeuta. Afinal não exercemos a nossa função profissional 24h por dia.

Todo profissional de Psicologia é regido pelos princípios éticos da profissão, que incluem a necessidade de exercer a função em um setting terapêutico adequado, ou seja, em um lugar apropriado para o acolhimento, sem interrupções mantendo o sigilo absoluto das informações.

Outro ponto a destacar é que não saímos analisando sem um objetivo clínico, e para que uma analise seja realizada, há um processo de vinculo muito bem estabelecido entre profissional e paciente. Impossibilitando que isso aconteça em um lugar barulhento, com alguém “alegre” e em menos de 15 minutos de conversa.

E mesmo assim quando você insistir para te analisar, nós estamos te respeitando em primeiro lugar, afinal não queremos que você exponha suas fragilidades em uma roda de pessoas onde há grande probabilidade de ser julgado pelo coleguinha do lado.

2- Como você faz para ler mentes?

Está aí uma coisa que seria bem interessante, mas venho aqui informar que nosso botãozinho de leitura de mentes nunca existiu.  Ahhhh!! rs

Costumo dizer que ser Psicóloga é estar em contato direto com as fragilidades e potencialidades humanas, sendo assim, não há uma leitura de “mente”, mas temos embasamento teórico e um olhar diferenciado para a compreensão do comportamento humano. E essa conquista é realizada  principalmente com muito estudo e com o respeito de estar em contato  direto com outra alma humana.

3 – Estudar Psicologia deve ser muito legal, é só ler uns textos e no final dizer que Freud Explica, não é mesmo?

Realmente é muito legal e encantador, mas assim como qualquer outro curso, há uma grande necessidade de investimento de energia e dedicação.

Sigmund Freud é um dos grandes representantes da Psicologia, conhecido por ser  o “Pai da Psicanalise” marcou seu nome na história da profissão. Mas um curso de Psicologia não é exclusivamente um curso de Psicanálise. Durante os 5 anos de graduação somos apresentados por autores como Carl Gustav Jung, Jean Piaget, John Watson, Lev Vygotsky, Frederic Skinner, Ivan Pavlov entre outros de total relevância cientifica. Então a Psicologia possui uma abrangência significante de abordagens e teóricos, o que torna a profissão mais rica em conhecimento e em campo de atuação.

4 – Você tem cara mesmo de Psicóloga (o).  Porque Psicólogo (a) é tudo doido (a)?

É muito comum à associação do profissional de Psicologia com a Loucura, talvez esse não seja o momento para trazer o assunto com profundidade, já que entendo ser um tema de total relevância e que mereça exclusividade, além de uma necessidade imensa de citações de alguns teóricos, como por exemplo, Michel Foucault.

Mas, todo profissional de psicologia necessita de um acompanhamento psicológico, afinal também somos seres que necessitam de fortalecimentos, novos aprendizados e entre tantos outros benefícios que a Psicoterapia pode proporcionar.

5 – Porque você está triste? Você é Psicóloga, não pode chorar.

Eu acho que também somos seres humanos. Só acho rs

Não podemos vestir a roupa de Super-heróis e acreditar que nada e ninguém irá nos afetar. Precisamos entrar em contato com os nossos sentimentos, não apenas porque somos Psicólogos, mas porque precisamos dar voz ao que sentimos, para então elaborar e re -significar como qualquer outra pessoa.

6 – Uhul minha amiga é Psicóloga, vou ter terapia de graça certo?

Miga sua loca, não é bem assim rs

O Conselho Regional de Psicologia enfatiza que “A decisão pelo atendimento é do (a) psicólogo (a), que considerará se o atendimento interferirá negativamente nos objetivos do serviço prestado, uma vez que não há nada na regulamentação que proíba especificamente o atendimento de familiares e/ou conhecidos(as).”

Realizar atendimentos com amigos e familiares pode provocar a falta de neutralidade, uma confusão de papeis e influenciar diretamente na confiança do compartilhamento das informações, apresentando desconforto ou colocando o Psicólogo no papel de vilão.

Sendo assim, melhor não correr o risco de perder uma amizade.

7- Você não parece ser Psicóloga. Estava esperando ser atendida por alguém com mais idade, o que você sabe da vida menina(o)?

Já ouvi essa fala por diversas vezes, no inicio confesso que me senti afetada de forma negativa. Mas, em partes tenho a conscientização que a experiência de vida tem muito a acrescentar em nossa vida profissional, mas temos um embasamento teórico muito rico e que precisa estar sempre sendo revisto e atualizado, nos fortalecendo diante da nossa atuação profissional permitindo intervenções pontuais.

8- Em quantos dias você resolve o meu problema?

Não se mede a eficiência do profissional contando os dias que ele levou para resolucionar a situação problema. Desde o início de um processo de Psicoterapia é preciso ocorrer a construção de um vínculo terapêutico, para então, o paciente se permitir  aprofundar em suas questões interpessoais.

É preciso respeitar a subjetividade humana em toda a sua potencialidade e fragilidade, sendo assim, o processo de psicoterapia pode até “demorar”,mas as possibilidades de bem estar e qualidade de vida permanecerá com o individuo.

9 – Ser Psicóloga (o) é fácil, é só ouvir o que a pessoa tem para falar enquanto finge que anota alguma coisa não é verdade?

Talvez essa seja a pergunta que mais reflete o desmerecimento da nossa profissão. Não é tão fácil quanto parece, afinal estamos acessando as fragilidades humanas e temos que ter muito respeito e cuidado com o que vamos abordar e qual o momento certo para se aprofundar.

Sim realizamos uma escuta ativa, mas também precisamos realizar intervenções. Sim, nos falamos durante as sessões rs.

Em algumas situações anotações são necessárias. Costumo enfatizar para os pacientes na primeira sessão que Psicólogos também sofrem com esquecimentos rs, particularmente utilizo a anotação para o nome de uma medicação ou  relatos que precisam ser retomados em outras sessões. Não posso deixar de lembrar que antes e após uma sessão de psicoterapia o Psicólogo precisa se preparar, rever e planejar intervenções e reflexões, sem contar que precisamos estar preparados para não ser bombardeados de sentimentos e carregar para a nossa vida pessoal. Por isso enfatizo novamente a necessidade do profissional também ter seu momento de psicoterapia.

10- Porque a Psicoterapia é tão cara, vocês não tem gasto com nada.

Precisamos compreender a situação econômica que nosso país enfrenta, mas não podemos deixar de reconhecer a nossa atuação e os benefícios que promove em cada ser. Ser Psicólogo é ter o compromisso ético de se dedicar aos estudos mesmo após a graduação, e tudo isso gera custos, que muitas vezes são bem mais altos do que os honorários de um profissional no inicio de carreira. Temos gastos com o espaço adequado de atendimento, com materiais gráficos, recursos lúdicos, livros, entre outros. E para vocês, quanto vale o seu bem estar psíquico?

E ai, se identificou? Compartilhe suas vivencias e impressões sobre esse texto.

Deixo aqui o meu vídeo falando sobre essa publicação de uma forma bem descontraída e engraçada, se você gostou pode compartilhar a vontade 🙂

Gostou do post? Dê um curtir no Facebook aqui embaixo…

Quer receber mais posts como esse? Cadastre seu e-mail e fique por dentro de todas as novidades do Blog!
Vou lhe comunicar por e-mail sempre que houver algo novo!
Politica de segurança de e-mail, 100% protegido contra SPAM
TOP 10: Perguntas mais frequentes a um Psicólogo ou estudante de Psicologia no dia a dia.
5 (100%) 207 votes

Psicóloga graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, pós-graduanda em Arteterapia pelo IJEP (INSTITUTO JUNGUIANO DE ENSINO E PESQUISA) e proprietária do Lysis Consultório de Psicologia. Ser Psicóloga é entrar em contato direto com as fragilidades e potencialidades humanas. Estar em contato direto com o intimo de cada ser, é o que dá sentido a minha existência. CRP Ativo 06/120305

Veja também:  Será que o tempo pode causar mudança no relacionamento?

7 comentários em “TOP 10: Perguntas mais frequentes a um Psicólogo ou estudante de Psicologia no dia a dia.

  1. Como ajudar um amigo que passa por uma Barra, se corta, sente angústia… Mas tem ” preconceito” em relação ao psicólogo, fala que é coisa de doido, porque que a psicologia é vista dessa forma?
    Por que que as pessoas se permitem passar por essas situação por causa do medo do que as pessoas vão achar se souberem que ele está indo ao psicólogo.
    As conveconversas entre o profissional e o paciente, é sigiloso. Só ficaram sabensabendo se o próprio contar.
    Eu gosto de ir, desabafo e não vejo problemas, primeiro a minha saúde por último dos últimos a opinião dos outros.

    1. Olá Maria! Entendo que essa questão é bem presente e ao mesmo tempo bem delicada! No período da adolescência há um comportamento de confrontação com a lei (regras), já que estão vivenciando uma fase de construção da própria identidade! Porém cada pessoa tem uma história de vida que influencia na construção de recursos de enfrentamento da vida! Essa é uma questão muito abrangente, já que cada ser é único e que cada um possui uma vivência e uma dinâmica familiar diferente da outra, que influencia nesses atos! Espero ter esclarecido sua dúvida! Gratidão por estar aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *